É uma doença que acomete o ombro caracterizada por dor, especialmente a noite e perda progressiva da movimentação. Ocorre mais frequentemente em mulheres. A faixa etária mais acometida é dos 40 aos 60 anos de idade.  A capsulite ocorre por fatores genéticos e metabólicos, mal compreendidos atualmente.  É mais comum em diabéticos e pacientes com alterações do funcionamento da tireoide. Mas, felizmente é uma doença autolimitada, isto é, têm cura mesmo sem tratamento.

capsulite adesiva

A capsulite ocorre por uma inflamação na cápsula articular do ombro, seguida por um enrijecimento da mesma com limitação dos movimentos do ombro.

 Capsulite Adesiva

A) ombro normal B) ombro com capsulite adesiva

Quais são os sintomas e a evolução da capsulite?

O curso clínico da capsulite adesiva consiste em três fases, sendo que o ciclo total de duração da doença pode durar de 12 a 36 meses. Entretanto, estudos demonstram que pacientes que procuram atenção médica assim que os sintomas aparecem, recuperam-se mais rapidamente.

Primeira fase (inflamatória): o paciente apresenta dor difusa no ombro, de surgimento gradual e que progride durante semanas até meses. Frequentemente, a dor piora a noite.

Segunda fase (congelamento): a dor diminui de intensidade, sendo mais comum na movimentação do ombro. O paciente descreve dificuldade com as atividades diárias por uma restrição na movimentação do ombro, não consegue pegar objetos em pratileiras altas, pegar uma carteira no bolso de trás da calça, prender o sutiã, entre outras. Esta fase dura de 4 a 12 meses.

Terceira fase (descongelamento): Essa fase prolonga-se por semanas a meses e, com o retorno gradual da movimentação do ombro, a dor diminui.

Muitas vezes, o retorno total da movimentação não é possível, embora muitos pacientes sintam subjetivamente algo próximo do normal.

capsulite_3

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito principalmente pela história e exame clínico. Exames laboratoriais e de imagem muitas vezes não ajudam no diagnóstico. Apenas radiologistas experientes conseguem através de uma ressonância magnética identificar esta doença, identificando o processo inflamatório e o aumento da espessura da capsula articular. Infelizmente muitas vezes os pacientes ficam por meses tratando seu problema como tendinite ou bursite no ombro, quando o diagnóstico correto é de capsulite adesiva.

cápsula articular

capsulite_4

*Cápsula articular com sinais inflamatórios e com aumento da espessura

Quais são outros diagnósticos que podem causar limitação da movimentação do ombro?

Como é o tratamento?

Felizmente, a capsulite adesiva é uma doença com cura espontânea, mas isto não significa que não deve ser feito nenhum tratamento. Na fase inicial da doença (inflamatória), analgésicos, antiinflamatórios e compressas de gelo são a base do tratamento. Nesta fase, o paciente precisa mais do que tudo melhorar a dor e controlar a inflamação, enquanto alongamentos excessivos podem inclusive piorar os sintomas, aumentar o processo inflamatório e a duração da doença. Ainda nesta fase, medicamentos da classe dos corticoides, administrados tanto por via oral quanto por injeções intramusculares são terapias usadas para a melhora da dor e da mobilidade.

Na fase de rigidez da doença, exercícios para alongamento e ganho da movimentação passam a ser primordiais. O acompanhamento desses exercícios por um fisioterapeuta costuma evoluir com melhores resultados.

Mais de 90% dos pacientes melhoram com o tratamento não cirúrgico.

Uma pequena parcela dos pacientes, mesmo fazendo exaustivamente o tratamento fisioterápico não conseguem ganhar movimentação no ombro e são candidatos ao tratamento cirúrgico. Para saber mais sobre as opções de tratamento da capsulite adesiva, consulte o seguinte texto.

capsulite_6

Como é o tratamento cirúrgico e quando está indicado?

Quando a rigidez e diminuição dos movimentos do ombro persistem, apesar do tratamento fisioterápico por um período prolongado, a cirurgia está indicada. Importante salientar que a cirurgia só deve ser realizada quando o paciente já passou da fase inflamatória da doença, quando os sintomas de dor já melhoraram e a principal queixa é a rigidez do ombro.

Quando indicado, o procedimento cirúrgico é realizado por uma técnica minimamente invasiva chamada artroscopia do ombro. Nesta técnica, a cápsula e outras estruturas espessadas e contraídas são visualizadas e liberadas, e o paciente tem um ganho imediato da movimentação. Após a cirurgia, porém, para evitar que a cápsula cicatrize de maneira contraída, uma boa fisioterapia torna-se necessária.

capsulite_ 7

15 respostas
  1. Flávio S. D. Mesquita
    Flávio S. D. Mesquita says:

    Doutor Jorge muito bom o seu site. Estive em uma consulta contigo dia 18-04-17. Estou em vias de ser operado por outro profissional. Gostaria de ter te conhecido antes pois te achei um excelente profissional. Sou veterinário e as dores que já senti me limitaram bastante. Tenho melhorado progressivamente mas a limitação ainda é intensa em um dos ombros, o que causa angústia e limitação de trabalho. De qualquer forma agradeço pelas informações que traz em seu site. Antes da capsulite adesiva bilateral eu nadava, surfava em alguns finais de semana e andava de bicicleta. Essa doença é um pouco ingrata pois nos tira do foco. No entanto ela é mal diagnosticada, como disse em seu artigo. As pessoas são tratadas para lesões no manguito, com fisioterapias intensas que podem agravar a dor, como o Sr. descreveu. Passei por tudo isso. Um grande abraço. Flávio Mesquita

    Responder
  2. Volme Lourenço Pereira de Sousa
    Volme Lourenço Pereira de Sousa says:

    Gostaria de saber se devo fazer alguns alongamentos na primeira fase da capsulite adesiva?
    Dói a noite e pela manhã o braço está tenro.

    Responder
    • Dr. Jorge Assunção
      Dr. Jorge Assunção says:

      Volme, boa noite! Difícil responder sua pergunta sem uma avaliação clínica. Para pacientes com dores muito intensas e com pouca rigidez (fase inflamatória pura), eu recomendo evitar alongamentos para não aumentar o processo inflamatório.

      Responder
  3. Gleide Maria dos Santos
    Gleide Maria dos Santos says:

    Boa noite , não durmo bem de noite e dói muito meu ombro , acho q durmo em cima do braço. Estou tentando fazer os exercícios, mas dói muito . Gostaria de saber se tem haver minhas dores nas costas. obrigada .

    Responder
  4. Ednilda Herculano
    Ednilda Herculano says:

    Bom dia n durmo bem a noite por conta da dor tomo Tramal de 100 e prebictal 75 2 vezes ao dia já faz 6 messes mas continuo com a mesma dor num existe aplicação com ácido hialurônico para melhorar a dor

    Responder
  5. Jamerson Jose Ferreira Belo
    Jamerson Jose Ferreira Belo says:

    Boa noite Dr.
    Fiz uma artroscopia em dez de 2016 onde foi colocada três âncoras, após 45 dias comecei a fisioterapia, após varias seções senti uma limitação no ombro operado, em agosto de 2017 fiz uma ressonância magnética onde foi descoberto que eu estava com CAPSULITE ADESIVA ( no começo senti dores no ombro todo e queimação e fisgadas na escapula bem próxima a coluna, agora tem dias que as dores vão embora porém ainda sinto limitações e incomodo na escapula e durante a noite. Agora neste mês de janeiro em consulta o meu médico falou que ira fazer uma nova cirurgia para soltar o ombro e solicitou uma nova RM para ver antes da cirurgia. Recebi o resultado hoje e estou preocupado com uma possível piora.Estou com medo em não poder trabalhar na mesma função que eu trabalho. SOU CARTEIRO MOTOQUEIRO.

    RESULTADO DA RM

    ACROMIO TIPO I DE BIGLIANI

    ARTICULAÇÃO ACRÔMICO-CLAVICULAR SEM ANORMALIDADES SIGNIFICATIVAS

    ESPAÇO SUBACROMIAL TEM DIMENSÕES REDUZIDAS, INFERIORES A 5MM, CONDIÇÃO PREDISPONENTE A IMPACTO.

    DISCRETA EROSÃO ÓSSEA FIBROCÍSTICA NO ASPECTO SUPERIOR DA CABEÇA UMERAL DE PROVAVEL NATUREZA DEGENERATIVA ARTICULAR INCIPIENTES.

    AFILAMENTO E IRREGULARIDADE NAS CARTILAGENS DE REVESTIMENTOARTICULAR NA GLENOIDE E NA CABEÇA UMERAL, COM REDUÇÃO DO ESPAÇO ARTICULAR E DIMINUTAS INFORMAÇÕES OSTEOFITÁRIAS MARGINAIS.

    SINAIS DE MANIPULAÇÃO CIRPÚRGICA NO ASPECTO ANTERIOR DA GLENOIDE, SEM SINAIS DE DESINSERÇÃO LABRAL.

    AUSENCIA DE DERRAME ARTICULAR SIGNIFICATIVO.

    OS GRUPOS MUSCULARES E TENDÕES QUE COMPÕE O MANGUITO ROTADOR ESTÃO DE MORFOLOGIA E SINAL NORMAIS.

    POR FAVOR ME AJUDE.

    MEU CASO É CIRURGIA MESMO. HOUVE ALGUMA MELHORA OU PIORA?
    NÃO VI NADA SOBRE CAPSULITE ADESIVA(SOU LEIGO)

    Responder
  6. Nilsa Helena Rodrigues
    Nilsa Helena Rodrigues says:

    Boa Noite Dr.!
    Gostaria de saber quem tem capsulite adesiva pode fazer o exame eletromiografia .Esse exame pode me prejudicar mais ainda meus ombros ?

    Responder
  7. Marlene
    Marlene says:

    Estou com capsulite adesiva desde outubro 2017 JÁ fiz umas dez infiltração e quase 50sessão de fisioterapia ainda doi ao movimentar e continua rígido. Eu não gostaria de fazer cirurgia. Minha dúvida posso sair dessa sem necessidade de cirurgia grata

    Responder
    • Dr. Jorge Assunção
      Dr. Jorge Assunção says:

      Marlene, boa noite! O que vc deve ter feito foi o bloqueio do nervo supraescapular e não uma infiltração verdadeira. Existem opções para tratamento para a capsulite adesiva além da cirurgia: infiltração intrarticular com corticóide, manipulação sob anestesia, hidrodilatação. Procure um especialista de ombro e discuta com ele as opções de tratamento.
      Att,

      Responder
  8. Marlene
    Marlene says:

    Obrigado Dr JORGE .SÓ mais uma dúvida o senhor recomenda manipulação sob anestesia? O ortopedista ja tinha feito essa proposta até a guia para autorizar.Mais fiquei com medo .pois o fisioterapeuta disse qe poderia piorar.Eu JÁ tive o mesmo problema no ombro esquerdo e com quatro meses.fiquei Boa.isso em 2015.muito obrigado pela Atenção Boa noite

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *