Obrigado

Mensagem enviada com sucesso.

Cirurgia para luxação do ombro

O número de praticantes de atividades esportivas cresce a cada ano, consequentemente vemos uma tendência crescente das lesões ortopédicas associadas ao esporte. Nos Estados Unidos, nos últimos 10 anos o número de cirurgias para a luxação do ombro cresceu 60%.

O que é luxação do ombro?

Luxação do ombro é a perda de contato entre os dois ossos que compõem esta articulação: a cabeça do úmero e a superfície articular da escápula (glenóide). As luxações podem ocorrer de dois modos: por trauma como acidentes, quedas ou lesões no esporte; ou luxar sem motivo aparente, por frouxidão nos ligamentos do ombro (atraumática). Para saber mais sobre a luxação do ombro, leia o seguinte post.

A) Ombro normal; B) Luxação anterior do ombro; C) Luxação posterior do ombro.

Quais são os exames necessários para a cirurgia da luxação do ombro?

No planejamento da cirurgia para luxação do ombro deve ser solicitada uma ressonância magnética para identificação das lesões labrais e ósseas (lesão de Bankart e lesão de Hill-Sachs). Quando houver dúvida do tamanho das lesões ósseas na glenóide ou da cabeça do úmero pode ser solicitada uma tomografia computadorizada.

Além dos exames de imagem, o paciente deve fazer os exames de sangue que habitualmente são solicitados para qualquer cirurgia.

Ressonância magnética demonstrado uma lesão do lábio anterior

Eu preciso fazer a cirurgia para luxação do ombro?

O tratamento cirúrgico está indicado para todos os pacientes com 2 ou mais episódios de luxação do ombro e que possuem lesões ligamentares.

Para o primeiro episódio de luxação, alguns artigos científicos recentes têm demonstrado que pacientes com idade inferior a 30 anos podem ter benefício se tratados cirurgicamente após o primeiro episódio, especialmente aqueles do sexo masculino e praticante de esportes que utilizam os membros superiores. Neste grupo de pacientes, a recidiva dos episódios de luxação do ombro é de 50% sem o tratamento cirúrgico.

Como é a anestesia para o tratamento cirúrgico da luxação do ombro?

As cirurgias do ombro são realizadas com anestesia geral. A localização da articulação e o posicionamento do paciente durante a cirurgia não permitem a realização do procedimento com anestesia local.

Na anestesia geral é realizada a intubação endotraqueal, ou seja, é passado um tubo pela traqueia do paciente que é conectado ao respirador. Por esse motivo, pode ocorrer pigarro e rouquidão após uma anestesia geral.

Na maioria das vezes, associa-se um outro tipo de anestesia, o bloqueio do plexo braquial. Esta modalidade de anestesia tem a função de controlar a dor no pós-operatório e é realizada através de um agulhamento no pescoço. Após o bloqueio, é normal ficar com o movimento e a sensibilidade do braço e mão alterados por até 1 dia.

Bloqueio do plexo braquial

Quantos dias eu preciso ficar internado?

A maioria dos pacientes fica apenas 1 dia internado.

Como é a cirurgia para tratamento da luxação do ombro?

A cirurgia para luxação do ombro habitualmente é realizada por artroscopia. Nesta técnica minimamente invasiva, através de 3 incisões de 1 cm, inserimos uma pequena câmera de vídeo e instrumentos cirúrgicos longos e pequenos no ombro. Com estes instrumentos e pequenos parafusos de 3 mm, chamados âncoras, conseguimos reinserir os ligamentos lesados junto ao osso. Os ligamentos reinseridos no seu local adequado, retensionam a capsula articular, restabelecendo os mecanismos estabilizadores do ombro perdidos durante a luxação. A cirurgia costuma ter alto índice de sucesso, 90-95% dos pacientes não apresentam novas luxações.

Em pacientes com grande desgaste ósseo pelas múltiplas luxações (lesões ósseas maiores que 25% da superfície articular da glenoide), o reparo isolado dos ligamentos não é suficiente para restabelecer a estabilidade do ombro. Nesses casos a cirurgia indicada é a de Latarjet, que consiste na retirada de um enxerto ósseo e fixação deste no defeito da glenóide. Este enxerto é retirado de um osso chamado coracoide próximo da articulação do ombro e fixado com parafusos na borda do defeito ósseo, aumentado a superfície óssea e estabilizando o ombro de modo adequado.

Cirurgia de Latarjet

Como é o pós-operatório da cirurgia para luxação do ombro?

Os pacientes submetidos ao tratamento cirúrgico para luxação do ombro devem permanecer imobilizados com uma tipoia por 1 mês. Exercícios para recuperação da movimentação do ombro são iniciados com 2 semanas de pós-operatório e exercícios de fortalecimento após 8 a 10 semanas do procedimento cirúrgico. Atividades esportivas que utilizam os membros superiores são liberadas após 6 meses.

Fiz a cirurgia para luxação do ombro e ele ainda sai do lugar?

Existem várias causas para a falha da cirurgia, entre elas podemos destacar: reparo isolado das lesões ligamentares em pacientes com defeitos ósseos grandes, não cicatrização dos ligamentos e falha na reabilitação.

Somente uma avaliação médica cuidadosa e exames de imagem pós-operatórios é possível identificar a causa e o tratamento possível para resolução do problema.

Procure um especialista de ombro e cotovelo para discutir as opções de tratamento e seus resultados.

O que é o acrômio? Qual sua relação com a dor no ombro?

O acrômio é uma proeminência óssea da escápula, localizada na parte superior do ombro. No acrômio se prende o músculo deltóide. Abaixo do acrômio estão os tendões do manguito rotador.

Representação esquemática do acrômio

O que é acrômio plano, curvo ou ganchoso?

Existe uma classificação do formato do acrômio, eles podem ser planos (tipo I), curvos (II) ou ganchosos (III). Alguns estudos associam o aparecimento de tendinite ou roturas do manguito rotador com o formato do acrômio, pessoas com acrômios curvos ou ganchosos teriam maior probabilidade de desenvolver problemas no manguito rotador.

Tipos de acrômio segundo a classificação de Bigliani

Acrômio com inclinação lateral?

Além do formato do acrômio, alguns artigos científicos também descrevem que indivíduos com acrômio com maior inclinação lateral têm maior possibilidade de desenvolverem lesões do manguito rotador.

Eu tenho acrômio curvo ou ganchoso, isto é a causa da minha dor no ombro?

Como foi dito anteriormente, alguns estudos indicam que pessoas com acrômios curvos ou ganchosos (tipos II e III de Bigliani) têm maior chance de terem uma rotura do manguito rotador. Entretanto, as lesões do manguito rotador não tem uma única causa. Elas são multifatoriais, idade, história familiar, hábitos de vida como esportes, atividades repetitivas com os membros superiores, tabagismo e doenças como diabetes e doenças reumatológicas também estão associados a tendinites e roturas do manguito rotador. Portanto, boa parte das pessoas tem acrômios curvos ou ganchosos e isto não é a causa da dor.

Tenho tendinopatia do manguito rotador e acrômio curvo, preciso operar?

O tratamento da tendinopatia do manguito rotador é inicialmente não cirúrgico, podemos utilizar gelo, anti-inflamatórios e tratamento fisioterápico. Esta modalidade de tratamento deve ser realizada por 6 a 9 meses e na maioria dos pacientes é eficaz.

O tratamento cirúrgico raramente é utilizado. Caso o paciente não apresente melhora com o tratamento clínico pode ser indicada uma artroscopia para remoção da bursa inflamada e dos esporões do acrômio. Veja o texto sobre tendinites e bursites para entender melhor o seu problema e os tratamentos disponíveis.

O que é Os acromiale?

Os acromiale é um defeito da fusão dos centros de ossificação do acrômio. Quando nascemos, o acrômio é formado por cartilagem e possui 4 centros de ossificação. Durante o crescimento, estes centros de ossificação substituem a cartilagem por osso e quando ocorre um defeito na união entre estes centros de ossificação, temos um os acromiale. Cerca de 10% da população tem um os acromiale e 60% são bilaterais. Eles são assintomáticos na maioria das pessoas. Entretanto, pessoas com os acromiale tem maior chance de ter uma rotura do manguito rotador.

Os acromiale

Procure um especialista de ombro e cotovelo para discutir as opções de tratamento e seus resultados.

A Lesão de Hill-Sachs e a lesão de Bankart (lesão do lábio anterior)

A lesão de Hill-Sachs e a lesão de Bankart são alterações muito frequentemente encontradas nas pessoas com luxações do ombro. Após o primeiro episódio de uma luxação do ombro, cerca de 85% dos pacientes têm uma lesão de Hill-Sachs e nos casos de luxação recidivante este número pode chegar a 100%.

O que é a lesão de Hill-Sachs e o porquê ela ocorre ?

A lesão de Hill-Sachs é uma fratura com afundamento da cabeça do úmero na sua região posterolateral. Ela ocorre pois a cabeça do úmero colide com a borda anterior da glenoide. Esta colisão causa o esmagamento da cabeça do úmero, pois é um osso mais frágil que o osso da glenoide.

Figura demonstrando como surge uma lesão de Hill-Sachs com a colisão da cabeça do úmero contra a glenóide

Figura demonstrando como surge uma lesão de Hill-Sachs com a colisão da cabeça do úmero contra a glenóide

O que é a lesão de Bankart?

A lesão de Bankart é a lesão do lábio da glenóide na sua porção anterior. No lábio da glenóide estão inseridos os ligamentos glenoumerais, estes conferem boa parte da estabilidade do ombro. Quando o ombro luxa, o local mais comum de ocorrer uma lesão dos ligamentos glenoumerais é justamente na região do lábio da glenóide, que descola da escápula. Na cirurgia para tratamento da luxação do ombro, o procedimento mais comumente realizado é a reinserção do lábio da glenóide na escápula.

Lesão de Bankart (seta preta)

Lesão de Bankart (seta preta)

Na luxação do ombro pode ocorrer lesão do lábio da glenóide superior ou posterior?

As luxações mais comuns são as anteriores, portanto a lesão do lábio mais frequente é na região anterior. Mas as lesões do lábio podem se estender para a região superior, as chamadas lesões SLAP. Nos casos de luxação posterior, menos comuns, ocorre lesão do lábio posterior da glenóide.

Ressonância magnética demostrando lesão do lábio posterior da glenóide (seta branca)

Ressonância magnética demostrando lesão do lábio posterior da glenóide (seta branca)

O que é a lesão de Bankart ósseo?

A lesão de Bankart ósseo ocorre em 2 situações:

    1. Durante um episódio de luxação anterior do ombro, ocorre uma fratura da borda anterior da glenóide em vez de ocorrer um descolamento do lábio anterior da glenóide;
    2. Em pacientes com múltiplos episódios de luxação, pode ocorrer um desgaste da região anterior da glenóide.

Estas 2 situações são mais graves e tornam o ombro mais instável e suscetível a luxações em situações banais como espirrar, dormir ou pentear o cabelo.

Tomografia computadorizada evidenciando lesão de Bankart ósseo (seta branca)

Tomografia computadorizada evidenciando lesão de Bankart ósseo (seta branca)

O que é a lesão de Hill-Sachs reverso?

A lesão de Hill-Sachs reverso é um afundamento da cabeça do úmero na sua região anterior relacionada a luxação posterior do ombro. É muito menos comum que as lesões de Hill-Sachs das luxações anteriores.

Tomografia computadorizada demostrando lesão de Hill-Sachs reverso

Tomografia computadorizada demostrando lesão de Hill-Sachs reverso

Quais são os melhores exames para avaliar a lesão de Hill-Sachs e a lesão de Bankart?

O melhor exame é a ressonância magnética. Para casos com desgaste ósseo importante ou grande pode ser necessária uma tomografia computadorizada para medir adequadamente os defeitos ósseos.

Ressonância magnética demonstrando lesão do lábio anterior da glenóide (seta preta) e lábio posterior integro (seta branca)

Ressonância magnética demonstrando lesão do lábio anterior da glenóide (seta preta) e lábio posterior integro (seta branca)

Para saber mais sobre a luxação do ombro, leia nosso artigo sobre luxação do ombro.  Procure um médico especialista em ombro e cotovelo para saber mais sobre as opções de tratamento.