Posts

Artropatia do manguito rotador

O que é a artropatia do manguito rotador?

A artropatia do manguito rotador é a artrose do ombro causada por lesões grandes ou extensas do manguito rotador e ocorre principalmente em pacientes acima dos 65 anos de idade.  O desgaste da cartilagem, que recobre os ossos da articulação do ombro, ocorre anos ou décadas após os primeiros sintomas das roturas do manguito rotador.

Quais são as causas da artropatia do manguito rotador?

Nem todas lesões do manguito rotador extensas e crônicas tornam-se uma artropatia do manguito rotador. Apenas 2% dos pacientes com roturas do manguito rotador desenvolverão este tipo de artrose. Os motivos que ocasionam a artropatia do manguito rotador são desconhecidos, mas acredita-se que substâncias inflamatórias liberadas pelo tecido sinovial que recobre a cápsula articular do ombro, em pacientes com lesões crônicas do manguito rotador,  ocasionem a destruição e o desgaste da cartilagem da cabeça do úmero. A melhor de prevenir a artropatia do manguito rotador é tratar adequadamente as lesões do manguito rotador. Para saber mais sobre o diagnóstico e o tratamento, leia o artigo lesão do manguito rotador.

Quais são os sintomas da artropatia do manguito rotador?

Os pacientes com artropatia do manguito rotador têm dor no ombro e podem ter grande dificuldade de elevar o membro superior, conhecida como “pseudoparalisia do ombro”. Esta limitação da função do ombro, pode tornar atividades da vida diária como pentear o cabelo, colocar a mão na boca ou vestir-se muito difíceis.

Paciente com artropatia do manguito rotador bilateral e “psedoparalisia do ombros”.

Paciente com artropatia do manguito rotador bilateral e “psedoparalisia dos ombros”.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito pelo exame clínico do paciente  e de imagem como a radiografia do ombro e a ressonância magnética.

A radiografia do ombro mostra sinais de desgaste da cartilagem  e a ascensão da cabeça do úmero, que fica encostada no acrômio.

Radiografia do ombro. A) artropatia do manguito rotador com a cabeça do úmero mais alta, encostada no acrômio; B) ombro normal

Radiografia do ombro. A) artropatia do manguito rotador com a cabeça do úmero mais alta, encostada no acrômio; B) ombro normal

Na ressonância magnética, visualizamos uma lesão do manguito rotador com grande retração, o desgaste da cartilagem, a cabeça do úmero encostada no acrômio e sinais de substituição da musculatura do manguito rotador por gordura, conhecida como “degeneração gordurosa”.

Ressonância magnética do ombro com artropatia do manguito rotador. A) Rotura do tendão supraespinal com grande retração (seta). B) Degeneração gordurosa dos músculos supraespinal e infraespinal.

Ressonância magnética do ombro com artropatia do manguito rotador. A) Rotura do tendão supraespinal com grande retração (seta). B) Degeneração gordurosa dos músculos supraespinal e infraespinal.

Qual é o tratamento da artropatia do manguito rotador?

O tratamento inicial deve ser não cirúrgico. Podemos utilizar analgésicos, gelo e anti-inflamatórios.  O tratamento fisioterápico pode ser realizado, com a intenção de reduzir a dor e fortalecer os músculos deltóide, romboides, serrátil anterior e trapézio. Estes músculos são muito importantes na movimentação do ombro em várias posições, auxiliando o manguito rotador. Infiltração com corticóide ou ácido hialurônico podem também ser utilizadas, alguns estudos indicam que estas substâncias são eficazes no alívio da dor a curto prazo.

Quando os sintomas como a dor ou limitação da movimentação não melhoram após 4 a 6 meses com o tratamento não-cirúrgico, está indicada a cirurgia.

Como é o tratamento cirúrgico da artropatia do manguito rotador?

O tratamento deve ser individualizado de acordo com os sintomas do paciente.

Pacientes com dor, mas com função quase normal dos ombros, ocasionalmente podem ser submetidos a um debridamento artroscópico do ombro, isto é, uma cirurgia mais simples por artroscopia onde retirarmos apenas os tecidos inflamados, o que permite uma melhora da dor.

Entretanto a maioria dos pacientes com indicação cirúrgica, além da dor possuem uma limitação acentuada da movimentação, conhecida como “pseudoparalisia do ombro”.  Estes pacientes devem ser submetidos a substituição da articulação por uma prótese. Este procedimento tem o nome de artroplastia reversa do ombro.

Prótese reversa do ombro

Prótese reversa do ombro

A prótese reversa do ombro é um tipo especial de prótese que não precisa do manguito rotador íntegro, ela depende apenas da função do músculo deltóide. Esta prótese traz bons resultados na melhora da dor e da função dos ombros nos pacientes com artropatia do manguito rotador. Entretanto, tem em torno de 10% de complicações, como infecção, luxação ou soltura da prótese e sua indicação deve ser bem discutida entre o médico e o paciente. Procure um especialista de ombro e cotovelo para saber mais sobre a artropatia do manguito rotador e a prótese reversa.

Idosos e dor no ombro

O envelhecimento da população é um fenômeno mundial. No Brasil, atualmente 11% das pessoas têm 60 anos ou mais. Em 2050, os idosos representarão um terço da população brasileira. Os idosos são responsáveis em torno de 40% das consultas médicas e metade das internações hospitalares. Portanto, é inevitável uma preocupação especial com as pessoas dessa faixa etária, pois elas são portadoras da maior parte das enfermidades.

Queixas de dor no ombro são comuns na população e ocorrem em 67% dos idosos. Nesta faixa etária os problemas mais comuns são a lesão do manguito rotador, a artropatia do manguito rotador e a artrose do ombro. As lesões do manguito rotador estão presentes em até 50% das pessoas acima dos 80 anos de idade. A artrose do ombro representa 37,5% dos diagnósticos nos pacientes com 80 anos ou mais com problemas nos ombros.

dor_ombro_idoso_1

O que é a lesão do manguito rotador?

O manguito rotador é o conjunto de 4 tendões com seus respectivos músculos que se localizam no ombro e envolvem a cabeça do úmero. Os tendões são: tendão supraespinal, infraespinal, subescapular e redondo menor. Esses tendões são importantes na boa mobilidade do ombro. É o manguito rotador que nos permite levantar objetos, rodar o braço, arremessar uma bola e realizar diversas atividades da vida diária com os membros superiores. A lesão do manguito rotador é a causa mais comum de dor no ombro.

lesao_manguito_1

Manguito rotador. A)imagem de frente B) imagem de lado C) imagem por trás

As lesões podem ocorrer de duas maneiras: traumatismos, por exemplo, acidentes automobilísticos, quedas da própria altura, ao carregar objetos muito pesados; ou com o nosso envelhecimento ocorre um enfraquecimento natural dos tendões, por diminuição ou alteração da estrutura das fibras de colágeno. Em algumas pessoas por características genéticas ou hábitos/antecedentes pessoais, por exemplo, tabagismo, esforços repetitivos pelo trabalho ou esporte, diabetes, reumatismos, podem ter um maior enfraquecimento do tendão, levando a sua ruptura ou lesão.

lesao_manguito_4

Ressonância magnética demonstrando lesão do tendão supraespina

Leia mais sobre o diagnóstico e o tratamento destas lesões no artigo sobre a lesão do manguito rotador.

O que é a artrose do ombro?

A osteoartrose ou osteoartrite do ombro é uma doença caracterizada por um desgaste da cartilagem que recobre os ossos da cabeça do úmero e da glenoide (escápula). Uma articulação para ter uma movimentação adequada e sem dor precisa ter suas superfícies recobertas de cartilagem saudáveis, lisas e bem lubrificadas. Na artrose do ombro ocorre um desgaste da cartilagem causando dor e diminuição da movimentação. A artrose do ombro é muito menos frequente que a artrose do joelho ou quadril.

artrose_ombro_1

 

Leia mais sobre o diagnóstico e o tratamento no artigo sobre a artrose do ombro.

Como é o tratamento das lesões do ombro nos idosos?

Evidentemente que o tratamento vai depender do diagnóstico e da gravidade das lesões. Mas podemos ressaltar que neste grupo de pacientes o tratamento não-cirúrgico é a primeira opção na maioria dos casos. Podemos utilizar gelo, antiinflamatórios e analgésicos. Devem ser evitados também os fatores que iniciaram ou agravaram os sintomas. O tratamento fisioterápico envolve, inicialmente, um protocolo de analgesia, que pode incluir a utilização de gelo ou calor local com a utilização de ultrassom, ondas curtas ou outros meios físicos. Posteriormente, são seguidos protocolos de alongamento e fortalecimento da musculatura ao redor da escápula e do manguito rotador.

O tratamento cirúrgico pode ser indicado nos pacientes no qual o tratamento clínico falhou e  que não tenham problemas de saúde grave que impeçam sua realização. O tipo de cirurgia depende do diagnóstico do paciente.